Se tem diagnóstico de fibromialgia, saiba que a psicologia tem um papel fundamental no controlo da situação patológica. Como a Psicologia pode ajudar pessoas com Fibromialgia? Saiba tudo, neste artigo!

O que é a Fibromialgia?

A fibromialgia corresponde a uma condição músculo-esquelética de dor crónica, cuja causa ainda é desconhecida. Estima-se que afete entre 2% a 4% da população e é mais frequente nas mulheres. Um dos principais sintomas é a dor muscular generalizada. Mas, coexistem outras características clínicas, como por exemplo a fadiga, os distúrbios do sono, a rigidez, a depressão e a ansiedade. No entanto, também são comuns as alterações do funcionamento cognitivo, especialmente os processos de atenção e memória.

Como a Psicologia pode ajudar pessoas com Fibromialgia?

Quais as causas da Fibromialgia?

Em primeiro lugar, é importante que saiba que a etiologia e patogénese da fibromialgia não é conhecida. No entanto, foram já descritas possíveis causas envolvidas, incluindo alteração do sistema nervoso central e autonómico, neurotransmissores e hormonas.

A sensibilização central parece ser uma das causas da fibromialgia, que se caracteriza por uma resposta aumentada à estimulação indicada pelo sistema nervoso central (Yunus, 1992). Isto é devido à atividade nervosa espontânea, assim como ao aumento das respostas aos estímulos que são transmitidos pelas fibras aferentes primárias (Staud & Smitherman, 2002). Assim, produzem-se padrões de resposta como a hiperalgesia e a alodinia.

 

Como é realizado o diagnóstico?

O diagnóstico de fibromialgia é normalmente é realizado pelo médico, que considera os critérios estabelecidos pela American College of Rheumatology (ACR). Deve ser feito quando detetada a presença de dor generalizada acima e abaixo da cintura em pelo menos 11 dos 18 pontos sensíveis localizados em ambos os lados do corpo, quando é exercida sobre eles uma pressão de 4kg/cm2 (Wolfe et al., 1990). Se a dor estiver presente durante pelo menos três meses, então provavelmente terá Fibromialgia.

A ACR (2010) publicou novos critérios de diagnóstico para a doença que incluem também a avaliação dos sintomas cognitivos, problemas de fadiga, sono reparador e sintomas somáticos, sugerindo a utilização dos seguintes instrumentos para a avaliação desses sintomas: Widespread Pain Index y Symptom Severity Scale (Wolfe et al., 2010).

Tratamento da Fibromialgia

O tratamento da fibromialgia é integral, ou seja, inclui tratamento farmacológico e não-farmacológico.

O tratamento farmacológico é prescrito pelo médico que decidirá quais os fármacos mais apropriados para a sua condição.

Por outro lado, o tratamento não-farmacológico, inclui a fisioterapia, terapia ocupacional, nutrição, e a psicologia.

Com o propósito de realizar exercícios físicos adequados para controlar a dor, aumentar a resistência e flexibilidade a fisioterapia revela-se uma boa alternativa.  Com o fim de se adaptar ao seu meio ambiente (em casa ou trabalho) para poder desempenhar o seu trabalho da melhor forma e evitar tensão no seu corpo, a terapia ocupacional poderá ajudar. Enquanto à nutrição ser-lhe-á preparada uma dieta adequada para a sua condição clínica.

 

Mas afinal como a Psicologia pode ajudar pessoas com Fibromialgia?

A psicologia ajudará a desenvolver estratégias para aprender a viver com a dor. Estas estratégias visam facilitar a aprendizagem do controlo mediante os seguintes objetivos:

1- Aumento da adesão ao tratamento farmacológico e não farmacológico.

2- Estratégias para redução do stress.

3- Transformar os pensamentos automáticos e negativos em pensamentos positivos.

4- Diminuição do medo à experiência da dor.

5- Aumento da autoconfiança para a adaptação e melhoria da qualidade de vida.

6- Promoção de uma boa qualidade de sono.

7- Aprendizagem de comunicação: pensamentos, emoções e sentimentos.

 

As pessoas que praticam exercício físico de forma regular, não só melhoram a qualidade do sono, como também aumentam a sua autoconfiança. Por consequência, há uma maior probabilidade de lidar melhor com a dor.

Em suma, agora que já sabe como a Psicologia pode ajudar pessoas com Fibromialgia, caso esteja com sintomas saiba que a sua vida não acaba! A psicologia é e sempre foi um auxílio importante, pois os resultados que têm demonstrado são extremamente positivos. Em caso de necessidade e para que consiga lidar com a dor, pode entrar em contacto comigo. Ficará tudo bem!

Bibliografia

Failde, I. (2014). El dolor crónico, algo más que un problema de quien lo padece. Revista de la Sociedad Española del Dolor, 21(1), 1-2.

Goldenberg, D. L. (2009). Diagnosis and differential diagnosis of fibromyalgia. The American journal of medicine, 122(12), 14-21. doi:10.1016/j.amjmed.2009.09.007

IASP. (1979). Pain terms: a list with definitions and notes on usage. Recommended by the IASP Subcommittee on Taxonomy. Pain, 6(3), 249-252.

Melzack, R. (1973). The puzzle of pain. Nueva York: Basic Books.

Melzack, R. (1993). Pain: Past, present and future. Canadian Journal of Experimental Psychology, 47(4), 615-629. doi:10.1037/h0078871

Melzack, R. (2000). Del umbral a la neuromatriz. Revista de la Sociedad Española del Dolor, 7, 149-156.

Melzack, R., & Katz, J. (1992). The McGill Pain Questionnaire: Appraisal. En D. C. Turk, & R. Melzack, Handbook of pain assessment (págs. 152-168). New York: Guilford Press.

Melzack, R., & Wall, P. (1965). Pain mechanisms: a new theory. Science, 150(3699), 971-979. doi:10.1126/science.150.3699.971

Melzack, R., & Wall, P. (1982). The challenge of pain. New York: Basic Books.

Melzack, R., & Wall, P. (1988). The challenge of pain (2a ed.). Londres: Penguin Books.

Staud, R., & Smitherman, M. L. (2002). Peripheral and central sensitization in fibromyalgia: pathogenetic role. Current pain and headache reports, 6(4), 259-266.

Wolfe, F., Clauw , D. J., Fitzcharles, M., Goldenberg, D. L., Katz , R. S., Mease, P., . . . Yunus, M. B. (2010). The American College of Rheumatology preliminary diagnostic criteria for fibromyalgia and measurement of symptom severity. Arthritis care & research, 62(5), 600-610. doi:10.1002/acr.20140

Wolfe, F., Smythe, H. A., Yunus, M. B., Bennett, R. M., Bombardier, C., Goldenberg, D. L., . . . Sheon, R. (1990). The American College of Rheumatology 1990 Criteria for the Classification of Fibromyalgia. Report of the Multicenter Criteria Committee. Arthritis and rheumatism, 33(2), 160-172.

Wolff, B. (1986). Behavioral measurement of human pain. The psychology of pain, 2, 121-151.

Yunus, M. B. (1992). Towards a model of pathophysiology of fibromyalgia: aberrant central pain mechanisms with peripheral modulation. The Journal of Rheumatology, 19(6), 846-850.